O conflito da classe média brasileira não pode ser encarado na base do xingamento

06/11/2017

Está instaurado um conflito nas camadas médias no Brasil, que divide as pessoas por uma série de questões. Este confronto tem apenas uma aparência de conflito de gerações, ainda que ele esteja presente. Os nascidos a partir da década de 80 do século passado não viveram as crises mais graves de inflação, desemprego e baixo consumo.

São pessoas que cresceram sob a égide de uma sociedade que se abriu ao “mercado”, que não sabem o que é censura, que foram educadas num ambiente de extrema permissividade e com facilidade para acessar o mercado de trabalho.

Grande parte dessa turma de 20 a 30 anos de idade conviveu com certa estabilidade no emprego, cursos de pós-graduação e concursos públicos, programas de crédito que lhes permitiram dar entrada na casa própria, trocar de carro a cada cinco anos e fazer viagens ao exterior.

Além disso, são gerações que adiaram a formação da família e a chegada de filhos, esticaram a permanência nas casas dos pais, sem um gasto pessoal tão grande e com uma renda própria razoável.

Para essas pessoas o discurso da meritocracia cai como uma luva. Afinal, elas não têm noção de que as melhores escolas e universidades que frequentaram foram fruto de uma luta enorme de resistência de outras gerações de estudantes, professores e funcionários.

Tampouco sabem que a certa estabilidade econômica, de crédito, de emprego e de consumo que experimentaram foi fruto de toda uma luta contra o modelo neoliberal, que sucedeu à ditadura militar, implantado até o final da década de 90.

Queiramos ou não, o modelo econômico implantado pelos governos do PT, voltado para o mercado interno, foi a expressão máxima das reivindicações e das lutas dos trabalhadores das décadas de 70 e 80, justamente a geração que combateu a ditadura militar. Diga-se de passagem, boa parte desta política foi elaborada por intelectuais que emergiram da mesma classe média brasileira.

Muitos dos que hoje chegam ao serviço público e às empresas estatais não têm a menor ideia de que os direitos e benefícios que recebem não foram dádivas de nenhum governo, mas resultado de muitas lutas e greves. Boa parte despreza ou considera os sindicatos ultrapassados, mas não tem noção da importância que teve a organização sindical para uma série de conquistas que hoje parecem turvas em seus contracheques.

Este conflito, que opõe artificialmente os mais novos aos mais velhos, também é resultado de um sistema educacional que privilegiou o ensino privado. A grande maioria dos filhos da classe média urbana brasileira passou a frequentar as escolas particulares, não se misturou aos filhos dos mais pobres, comprou a falsa ideia de menosprezar as cadeiras de História, Geografia, Filosofia e tudo que tenha a ver com a memória do país.

A geração dos “concurseiros” decorou frases e um método de ensino que visava prepara-los para encarar provas de múltipla escolha. Os livros didáticos e romances foram substituídos pela mecânica da indústria de apostilas, que não estimula o raciocínio e a tomada de decisões a partir da interpretação crítica dos fenômenos.

Isso se reflete no que se posta e se escreve nas redes sociais. Há uma ignorância absurda sobre temas simples, como por exemplo: o nazismo é de esquerda ou de direita? O racismo é uma chaga a ser reparada na sociedade brasileira ou um “vitimismo”? A exibição da nudez pode ser encarada como natural no contexto artístico ou é um atentado ao pudor e pedofilia? Os governos do PT e seus aliados eram comunistas? A ditadura militar foi um dano ao país ou um mal necessário?

Este conflito exige um debate paciente e didático por quem pretende encará-lo. A primeira coisa a fazer é abandonar o palavrório, o xingamento e os adjetivos que visam a desqualificar os que divergem ou ignoram. A segunda é demonstrar que a classe média também será tragada pela ganância do grande capital, que a utiliza como bucha de canhão para seus propósitos reacionários.

Será preciso retomar o costume de fazer as pessoas pensarem, refletirem sobre o que fazem em todas as áreas do conhecimento. Um dos problemas do PT, dentre tantos outros, foi acreditar que seria possível elevar o nível de consciência da sociedade a partir da inclusão pelo consumo. Ora, o neoliberalismo aposta justamente nisso: convencer aos pobres e remediados que sua salvação se dará pelo consumo, sem reflexão, sem encarar as contradições.

Ao contrário da histeria de Marilena Chauí e seus discípulos, o caminho para neutralizar o pensamento reacionário que emerge de parte considerável das camadas médias é ampliar o debate, não é acabar com ele na base dos impropérios. Aliás, este é justamente o campo que agrada aos ideólogos dos grupos de direita.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: