Boechatices e o rabo preso da mídia empresarial brasileira*

15/03/2017

Para que servem os meios de comunicação? Informar, analisar, promover o debate a partir de fatos e acontecimentos de interesse geral da sociedade. Se não for para isso, que papel social esses canais podem cumprir?

Infelizmente, no Brasil e no mundo, os compromissos financeiros dos proprietários dos canais da mídia empresarial, que sobrevivem de concessões públicas, acabam por falar mais alto. Em pleno Dia Nacional de Lutas contra as reformas trabalhista e previdenciária (15/3/2017), só o que essas empresas conseguem mostrar são os transtornos das paralisações, sobretudo as dos transportes coletivos. Como se transtornos nos transportes e no trânsito não fossem parte do dia a dia da população nas principais capitais brasileira.

O discurso, surrado e modorrento, apela para o senso comum: “O direito de ir e vir do cidadão está sendo desrespeitado”, repetem os âncoras de Rádios e TVs. O envergonhado Ricardo Boechat, que sabe muito bem o que representam essas reformas e os estragos que elas poderão causar aos “cidadãos”, caso sejam aprovadas pelo Congresso Nacional, não perde a oportunidade para atacar os servidores públicos e de estatais.

A tentativa é jogar a população contra os setores mais organizados da sociedade, uma atitude leviana e perigosa. Ora, senhor Boechat, como jornalista não vejo o grupo o qual o senhor representa dar vez ou voz a inúmeras organizações da sociedade civil, que se colocam abertamente contra e apresentam argumentos sólidos sobre as reformas do governo. Onde está o direito ao contraditório, beabá do jornalismo?

Qual deveria ser o papel de um apresentador de rádio e TV que se confessa “ignorante” ou “confuso” sobre o assunto, pelo menos durante as manhãs em que comanda o noticiário da Band News? Promover o debate sobre o tema, dando espaço igual para os que têm argumentos a favor e contra essas reformas.

É fácil dar uma de paladino da indignação do “trabalhador” e da “dona de casa”, pretensamente prejudicados pelas manifestações promovidas por um punhado de servidores públicos. Difícil é contrariar a vontade dos donos de emissoras de Rádio e TV, cada vez mais agraciados com verbas públicas da propaganda oficial do governo Temer. Ou será que existe argumento mais convincente que esse para justificar uma abordagem tão antiprofissional nos principais canais da mídia empresarial brasileira?

Vamos parar com essa demagogia! Basta observar os dados da tabelinha abaixo, elaborada pelo site O Cafezinho a partir das informações da Secretaria de Comunicação do governo federal, para entender como a banda toca na mídia empresarial brasileira.

Nenhum texto alternativo automático disponível.

*O autor deste artigo foi comentarista do Programa Boca Livre durante 17 anos, primeiro na Rádio Bandeirantes AM, depois na Rádio Tropical AM do Rio de Janeiro.

Anúncios

2 Respostas to “Boechatices e o rabo preso da mídia empresarial brasileira*”

  1. luis fernando. said

    sou ouvinte do Ricardo boechat,mais nesses assuntos ele sempre fica do lado da quadrilha saad,que são os seus patrões.

  2. luis fernando. said

    manifestação é muito lindo quando ocorre na europa ou nos eua contra o trump,quando ocorre aqui a mídia tenta boicotar o assunto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: